Santanews Workwear

Tecidos Inteligentes e Nanotecnologia

O desenvolvimento de novos materiais têxteis inovadores (têxteis inteligentes) com variadas funcionalidades e alto desempenho, assim como a utilização de tecnologias de processamento eco-sustentáveis, são já uma realidade no setor da moda e da indústria têxtil portuguesa. A importante fileira da Moda, constituída pelas indústrias de têxtil, vestuário, calçado e da joalharia e ourivesaria, assegura 14% das exportações nacionais, sendo responsável por 5,1% do emprego. São quase 17 mil empresas, que dão emprego a mais de 190 mil trabalhadores e que faturam mais de 7 mil milhões de euros ao ano.

O desenvolvimento de fibras e fios técnicos tem contribuído para o estabelecimento de novas fronteiras de utilização dos produtos de moda sustentável associando também funcionalidade, segurança, bem-estar e conforto. A maioria dos têxteis inteligentes não chega ao vestuário do dia-a-dia, mantendo-se sobretudo em setores como a construção, a indústria automóvel, a saúde e o desporto.

Os têxteis inteligentes surgem como materiais aptos a sentir e a responder de maneira controlada ou prevista aos estímulos do meio ambiente, que podem ser de origem elétrica, térmica, química ou magnética. Como resposta a esses estímulos, estão as mudanças da forma, cor, volume e outras propriedades físicas visíveis. As inclusões de materiais termocromáticos e materiais que mudam de fase em estruturas têxteis resultam em novos conceitos de vestuário, que se têm usado para criar efeitos estéticos e funcionais em tecidos.

A nanotecnologia é uma área de investigação e desenvolvimento muito ampla e multidisciplinar que se baseia nos mais diversificados tipos de materiais (polímeros, cerâmicos, metais, semicondutores, compósitos e biomateriais), estruturados à escala nanométrica de modo a formar blocos de construção como clusters, nanopartículas, nanotubos e nanofibras, que por sua vez são formados a partir de átomos ou moléculas.

Através de nanomateriais, os fabricantes podem conferir novas propriedades aos têxteis dando-lhes, assim, uma nova funcionalidade. A nanotecnologia permite que os tecidos apresentem características especiais, como propriedades anti-bacterianas quando possuem nanopartículas ou nanofibras de prata, microcápsulas com agentes hidratantes, desodorizantes, repelentes de insetos, anti-humidade e anti-sujidade. O controlo de odores é, normalmente, conseguido através do uso de microcápsulas, que servem como recipientes minúsculos de substâncias. As substâncias, líquidas ou sólidas, são libertadas para a retenção de maus odores e/ou a libertação de fragâncias.

No mercado já se encontram casacos que monitorizam o batimento cardíaco, batas antimicrobianas, tecidos antialérgicos, edredões anti-ácaros e anti-odores, t-shirts com nanopartículas incorporadas, proteção UV, retardamento de chama, casacos térmicos e até blusões com telemóvel/ipod embebidos.

Na vanguarda dos têxteis inteligentes está o vestuário com eletrónica flexível embebida, por exemplo com integração de 'micro-chips”. As soluções baseadas em peças de vestuário com eletrónica, usualmente designadas como “wearables” constituem uma área em grande expansão e desenvolvimento. Têxteis com chips integrados podem medir os diferentes parâmetros de saúde da pessoa que o veste e transmite-os via telemóvel ou por GPS.

Um exemplo corresponde a um projeto financiado pelo programa COMPETE, “BIOSWIM - Sistema de Interface Corporal Integrada em Vestuário para Monitorização de Sinais”, para desenvolvimento de um fato sem fios que permite avaliar parâmetros biométricos e de desempenho dos nadadores de competição em tempo real.

O projeto pretende estudar a possibilidade de integrar sensores convencionais e sensores de base têxtil em materiais têxteis, tirando partido das suas propriedades para a realização de determinados fins como a monitorização de parâmetros do atleta. O fato é composto por diversos sensores colocados em zonas estratégicas para analisar parâmetros biomecânicos, fisiológicos e de desempenho do nadador, tais como: ritmo cardíaco, atividade muscular, acelerações dos membros, frequência respiratória e a posição do nadador.

Outro exemplo corresponde a cuecas que retêm urina e neutralizam odores, sendo a mais recente inovação da têxtil de Esposende “IMPETUS”, que já está a exportar aquelas peças para vários países.

A investigação, desenvolvimento e inovação em áreas da nanotecnologia podem contribuir para a realização de avanços na produção e utilização de nanomateriais em novos produtos e processos em várias áreas do tecido económico nacional. As novas soluções tecnológicas abrem, assim, novas perspetivas para a inovação e criação de novas oportunidades de negócios nas PME’s da indústria têxtil e no design da moda.

Saiba mais em: http://www.correiodominho.com/cronicas.php?id=6692

 

Tecidos Inteligentes e Nanotecnologia

A marca Workland é a nova fornecedora do Grupo ULTRAGAZ

O Grupo ULTRAGAZ realizou o evento Clube de Compras para reunir seus fornecedores e a Workland esteve lá...

Tecidos Inteligentes e Nanotecnologia

XVI SENABOM - Seminário Nacional de Bombeiros

A Santanense vai marcar presença no Senabom 2016, principal congresso de bombeiros do país...

Tecidos Inteligentes e Nanotecnologia

SANTANENSE na FISP 2016

Mais uma vez a Santanense se destacou na FISP, sendo um dos stands mais visitados.